Acompanhe também

Destaques

360 CQD | CAR System (Center Axis Relock)

O Sistema Center Axis Relock (CAR) foi desenvolvido durante um longo período de tempo, nascido a partir de um sistema básico e através da compreensão de como o corpo e a mente funcionam.

Foi concebido principalmente para os confrontos a curta distância. Permite ao Operador um nível mais elevado de retenção de armas pessoais do que as técnicas existentes nos dias atuais. Permite também alcançar altos graus de movimento, velocidade e precisão durante um combate.

O sistema CAR pode ser descrito como ligação cinética da força que vem do chão através de uma base forte, usando o centro do corpo ou o “Eixo Central”.

O seu centro contém a sua força, através da estabilidade e equilíbrio. Os 6 “R”s são uma forma de procedimentos de combate. Cada um deles pode ser desenvolvido de uma posição em particular. Qualquer deles pode ser empregado de qualquer posição corporal.

Foi nos ensinado que o lutador perfeitamente centrado pode atacar em qualquer direção. Por isso é importante dominarmos o centro de nossos atacantes. Com uma arma de fogo você pode efetuar múltiplos disparos nessa área central rapidamente em movimento. Os confrontos armados ocorrem normalmente em ângulos difíceis de lutar (pois nosso atacante normalmente escolherá um ângulo fácil para ele e difícil para você) e as posições tradicionais só lhe permite bom desempenho quando perfeitamente de frente e centrado para o alvo.

Valério Lino – V-TAC Solutions

Apresentação do Sistema

É mais do que uma posição de tiro, é uma forma de usar armas, um sistema desenvolvido para combates e cenários em CQB e outros.

O básico do Sistema Center Axis Relock (CAR) diz respeito aos olhos e a percepção da visão e da visada.

Integrada com o CÍRCULO DE CONTROLE – que pode ser mantido em 360° através da rotação da posição corporal do operador em qualquer direção de ameaça percebida.

– O Sistema apresenta três posições de tiro.

– Simplesmente atiramos na melhor forma possível para cada situação.

– Existe muita ciência por trás dessas posições e o porquê fazemos isso.

O CAR System (Center Axis Relock) foi desenvolvido por Paul Castle, nascido em Ramsgate na Inglaterra, em 15 janeiro 1959. Ele entrou na polícia de como policial treinador de oficiais e ao se aposentar, mudou-se para os Estados Unidos atuando como treinador tático, com vasta experiência em combates urbanos.

360° CQD

Nos dias de hoje é conhecido e atualizado por Jeff Johnsgaard para 360° CQD (Close Quarter Defense).

O 360 CQD é formado por 7 pilares:

  1. Mentalidade e treinamento mental;
  2. CAR System Original;
  3. Treinamento com armas de fogo;
  4. Recuperação e Protocolo de feedback;
  5. Treinamento de Combative [Combate Corpo-a-Corpo];
  6. Treinamento Baseado na Realidade;
  7. Método Educacional [instrutivo];

Jeff Johnsgaard é oficial da polícia no Canadá e a maior autoridade no mundo quando se fala em CAR System (Center Axis Relock).

Paul Castle, durante severos anos lutou contra o câncer – perdeu a batalha em 14 setembro de 2011. Quando então Jeff Johnsgaard, seu melhor aluno e parceiro no desenvolvimento das técnicas do sistema, assume o comando da Sabre Tactical US (hoje atual Natural Tactical System – NTS).

Alguns instrutores ainda preferem manter o nome e nomenclaturas das técnicas originais, por haverem feito seu treinamento diretamente com Paul Castle.

Valério Lino – V-TAC Solutions

Conheça alguns dos maiores benefícios do sistema:

  1. Estabilidade;
  2. Elimina visão dupla;
  3. Melhora a retenção da arma;
  4. Pode ser usado quando sentado;
  5. Cria um alvo menor (operador);
  6. Reduz o recuo da arma- equilíbrio e força são criados do alinhamento ósseo;
  7. Universalidade – pode ser usado independentemente da idade, tamanho, força ou gênero;
  8. Velocidade;
  9. Instintivo- incorpora sua reação natural corporal;

 

Visão e a Visada

Vamos ver o que acontece com relação a visão e a visada. Como usamos isso a nosso favor. Para você entender melhor sobre o Ponto Natural de Foco:

– Quando alguém nos entrega algo para vermos ou lermos, fazemos um movimento para frente ou para trás, damos aquela ajeitada para enxergar melhor, não é?

– Por que fazemos isso? Simplesmente para ajustarmos o foco de nossa visão, este foco seria o melhor ponto e mais confortável para tal.

É um fato que em pessoas com uma visão normal este ponto natural de foco fique a uma distância a partir da sua face, uns 12-14 polegadas, aproximadamente 32-35 cm.

– Como isso acontece? O músculo ciliar do olho humano consegue focar de forma rápida qualquer objeto posto a esta distância.

– O que isso nos beneficia? Uma visada mais rápida e clara.

– Conseguimos alinhar o sistema de mira e alvo da maneira correta e como fazemos isso? Na posição de tiro da combat position [extended position].

– É possível fazer isso na posição isósceles? Não! Devido à distância maior.

Precisamos mais tempo para focar e alinhar o sistema de mira no alvo. Contudo, ainda usamos a ambidestria.

Dependendo da situação e do cenário podemos alternar a mão fazendo dela a mão ativa ou forte, que empunhará a arma.

Valério Lino – V-TAC Solutions

Matriz de Prontidão 

Chamamos de 6R’s através dele criamos um alto nível de estabilidade:

1. Reação

  1. O que pode ser visto;
  2. O que não pode ser visto;
  3. O que pode se esperar de determinada situação (avaliação de risco iminente).

Requisito principal de uma reação sempre será “ganhar tempo” devido ao fato de que toda reação será mais lenta que uma ação. A reação deve ser eficiente e eficaz.

Existem quatro elementos-chave no conceito de reação:

  1. Empunhadura;
  2. Liberação da arma do coldre;
  3. Suporte;
  4. Apresentação da arma ao alvo;

2. Redução

A identificação de uma possível ameaça. Reduzir é o elemento de redução do “Risco” no momento em que o operador reage, a redução da ameaça começa a ocorrer.

Reduzir o recuo da arma, através da posição de travamento do punho, trabalhando em harmonia com as estruturas ósseas. [aumento de estabilidade e redução da fadiga]

3. Recarregar

  1. Recarga Tática: A munição ainda não acabou, mas mesmo assim se faz a troca para manter a superioridade em uma continuação do combate, caso seja necessário.
  2. Recarga de combate: Quando a arma para de atirar devido a falta de munição no carregador, rapidamente se faz a troca com um novo carregador cheio, ainda sob fogo e em combate.

4. Recuperar

Basicamente existem algumas razões pelas quais uma arma para de atirar:

  1. A munição esgotou-se;
  2. A munição falhou;
  3. A munição não foi levada a câmara;
  4. Dupla alimentação;
  5. Trancamento incompleto do ferrolho;
  6. Cartucho (estojo) estufado na câmara;
  7. Falha mecânica da arma;
  8. Pane Torre ou chaminé;
  9. Embuchamento do cano;

5. Retornar

Assim que a ameaça cessou, antes de coldrear a arma. A área da ameaça deve ser escaneada a procura de novas ameaças. Forçar respirações profundas, checar a retaguarda e chamar apoio.

Fazer o escaneamento através da área da ameaça.

6. Retenção

Manter a arma na CQ Position | High Position (Close Quarter) evita a arma ser arrebatada da mão do operador.

 

Adaptação rápida ao sistema

Você não necessita ter habilidades (genéticas) Abilities. Suas habilidades Skills serão desenvolvidas facilmente.

*Nota importante *

Skills = Habilidade, consegue através do treino, aprendida.

Abilities = Natural, talento, aptidão

Usaremos toda a técnica que foi apresentada usando a evolução da TRIADE DO COMBATE.

  1. Mind Set – “Bulletproof mind” mentalidade de combate.
  2. Gun Handling – Habilidades de manuseio da arma.
  3. Marksmanship – Fundamentos do Tiro.

Valério Lino – V-TAC Solutions

Em suporte a Tríade, tem sido o equilíbrio de:

“Power, Accuracy and Speed”- Força, Precisão e exatidão e velocidade.

“Prontidão através da Estabilidade”.

No combate real todos esses elementos precisam vir juntos, quando lidando com uma tarefa, ou em momentos de crise em combate.

Todas as técnicas podem ser usadas em diversos cenários como dito na apresentação do sistema, sendo atualmente desenvolvido e adaptado para operadores de forças especiais de abordagem a embarcações [ Navios ] de um país aliado.

Podemos analisar como exemplo que este cenário totalmente confinado quando se está embarcado leva aos operadores uma dificuldade grande para movimentação tática, principalmente com armas longas nas abordagens em Navios Belonave [Navio de Guerra] ou em Navio Mercante [ Navio de comércio ].

Em muitos momentos pode se transitar entre as posições tradicionais e 360 CQD, deixando tudo em estado de “Flow” [fluído e contínuo], onde toda a movimentação e ações são totalmente dinâmicas.

Outros cenários tais como: moto, a cavalo, jet ski, avião, dentro de veículos, retomada de Instalações Petrolíferas, embarcações com ilícitos, D.A – Destacamento de Abordagens, contra pirataria, resgate de reféns em navios transatlânticos, balsas, ferri boat, barcas S.A, entre outros.

Todos os cenários citados são facilmente conectados com o sistema de tiro.

Valério Lino – V-TAC Solutions

Podemos concluir que o sistema é uma grande ferramenta para que possamos usar no momento certo e no cenário adequado, somando com tudo o que temos na posição isósceles.

Nossa mente deve estar aberta para novos conhecimentos e evoluirmos sempre. Assim como a violência e as agressões evoluem, devemos evoluir também.

 

Valério Lino – V-TAC Solutions

Veritās Tactical Solutions

Ciência da Proteção e do Combate – Confira os cursos disponíveis

Continuar lendo
Quero deixar uma mensagem

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade