0
0
0
s2smodern

Foto: Daniel Acker/Bloomberg

A Remington Outdoor Company, mais antiga fabricante de armas de fogo dos Estados Unidos, entrou com pedido de falência no domingo (25), após meses de queda nas vendas de armas e em meio a novos protestos contra a violência armada.

A empresa vem de um ano de queda nas vendas e não conseguiu atender às exigências de seus credores, de acordo com seu diretor financeiro, Stephen Jackson, em documentos apresentados ao Tribunal de Falências dos EUA para o Distrito de Delaware, informou a Reuters.

O pedido não foi uma surpresa total. Em 12 de fevereiro, a Remington anunciou que havia fechado um acordo com os credores para amortizar cerca de US$ 700 milhões de sua dívida de US$ 950 milhões. Embora estivesse a caminho da falência, os executivos da empresa acreditavam que a empresa persistiria “agora e no futuro”.

“Temos uma excelente linha de marcas e produtos, o suporte incondicional de uma comunidade vibrante em todo o setor e uma cultura profunda e poderosa”, disse Anthony Acitelli, CEO da Remington na época. “Vamos emergir desse processo (...) para competir de forma mais agressiva e aproveitar oportunidades futuras de crescimento.”

No entanto, dois dias depois, um atirador abriu fogo na Marjory Stoneman Douglas High School, em Parkland, na Flórida, matando 17 estudantes e funcionários. O tiroteio – um dos vários realizados em escolas norte-americanas em 2018 – reacendeu o debate sobre a violência armada e estimulou uma nova geração de ativistas, incluindo muitos adolescentes de Parkland.

O pedido de falência da Remington veio apenas um dia após centenas de milhares de pessoas se reuniram para protestar contra a violência armada na Marcha pelas Nossas Vidas, em Washington, bem como em centenas de “marchas irmãs” em todo o país.

Na falência, a Cerberus Capital Management, uma empresa de private equity que adquiriu a Remington em 2007, perderá a propriedade da empresa. Enquanto isso, os credores da Remington trocarão suas dívidas por ações.

Os problemas da Remington refletem uma mudança brusca na indústria de armas no ano passado. As compras de armas dispararam durante o período que antecedeu a eleição de 2016: Hillary Clinton era candidata, e uma série de defensores dos direitos das armas fez barulho sobre uma iminente repressão ao porte caso ela ganhasse. No início daquele ano, o presidente Barack Obama alimentou temores parecidos ao propor a ampliação de verificações federais de antecedentes.

A vitória de Donald Trump sobre Clinton ajudou a reverter o receio. Os temores de uma repressão diminuíram com o presidente Trump, que se autodenominou um “amigo verdadeiro” da National Rifle Association.

As vendas de armas também diminuíram. A Reuters informou que as vendas da Remington caíram em 2017, deixando-a com uma perda operacional de US $ 28 milhões. As agências de classificação de crédito atribuíram o declínio em parte ao “recuo dos temores de que as armas se tornem mais regulamentadas”. Verificações do FBI de antecedentes criminais para compra de armas de fogo também refletiram a queda. Em 2017, o FBI realizou cerca de 25,2 milhões de checagem de antecedentes, ante 27,5 milhões em 2016. A queda é significativa, mas a cifra continua muito maior do que nos anos anteriores. Em 2009, por exemplo, o ano em que Obama foi empossado, havia 14 milhões de checagem de antecedentes.

Embora Trump tenha insinuado brevemente que poderia tomar uma posição mais rígida sobre os direitos das armas após a tragédia de Parkland - mesmo repreendendo os senadores por “medo da NRA” - o presidente diminuiu sua pressão por um controle de armas mais agressivo depois de se reunir com funcionários da NRA. Trump, desde então, dobrou a proposta de ajudar a educar professores.

Fonte: https://goo.gl/UCvhzn

 


Cursos Propoint

Promoção Botas Vento

TEES BRAZIL

Anuncie Aqui